domingo, 14 de março de 2010

Metodo de Harry Lorayne - Baralhos

Muitos dos grandes atletas de memória são mágicos. Houdini em suas apresentações costumava pedir para sua platéia levar objetos para serem utilizados em um número muito interessante. As pessoas colocavam todos os objetos sobre uma mesa. Após todos os objetos estarem sobre a mesa, Houdini cobria a mesa com um pano e dizia a localização exata de todos os objetos. Provavelmente o grande mágico criou vínculos mentais entre as diversas partes da mesa e os objetos.


Essa “mágica” é a prova de que para memorizarmos alguma coisa, essa coisa deve ter algum sentido para nós. Algo semelhante será feito sobre o baralho. Mesmo que você não goste de jogar, memorizar cartas de um baralho é um excelente exercício para a memória treinada.

Por que é dificil memorizar as cartas de um baralho? Simples. Elas não significam nada para nós. Antes de aprendermos a memorizarmos as cartas, iremos criar imagens substitutivas para cada uma, utilizando o método de Harry Lorayne.

HARRY LORAYNE

Harry Lorayne, um dos pioneiros em performances mnemônicas, criou um método bem singular para memorizar as cartas. Ele criou um método de substituição em que cada carta se transformava em uma palavra, de acordo com o alfabeto fonético. Esses objetos substitutivos teriam iniciais de acordo com o naipe.

PAUS – Todas as cartas no naipe de paus começarão pela consoante P.
ESPADAS – A letra T parece uma espada fincada no chão. Assim, todas as cartas do naipe de espadas começarão pela letra T.
COPAS – Todas as cartas do naipe de copas começarão pela letra C.
OUROS – Todas as cartas de ouros começarão pela letra S.

A segunda consoante de cada gancho do baralho designará o número da carta. Assim, a carta ás de paus será substituída pelo gancho PEITO. Onde o P corresponde ao naipe e o T corresponde ao número 1 (ás). O único problema que surge é a família real.

Vamos supor que desejamos memorizar a carta rei de paus. A palavra que substituiria essa carta teria que começar pela letra P e teria ainda as consoantes T e M (relativas ao número 13 que corresponderia ao rei). Dificílimo criar esse gancho hein? Para resolver esse impasse, aplicaremos algumas restrições ao uso do alfabeto fonético para a criação dos ganchos do baralho para cartas maiores que 9.

ÁS –T apenas

2 – N ou NH

3 – M

4 – RR apenas

5 – L ou LH

6 – X, CH, J ou G fraco

7 – C forte ou G forte

8 – F apenas

9 – P ou B

A partir desse ponto faremos uma adaptação do alfabeto fonético. Isso porque as cartas de número 10, 11 (valete), 12 (dama) e 13 (rei) teriam que ter duas consoantes além da consoante que designa o naipe.

10 – Como se torna difícil inserir duas consoantes para criar imagem do baralho, usaremos apenas os sons correspondentes ao 0; S, Z, Ç, XC

Valete – Para resolver o problema do valete, usaremos a consoante V para corresponder a carta valete. O motivo dessa escolha é óbvio: V é a letra que inicia a palavra valete. Agora você entende por que eu EXCLUI o V das cartas de número 8. Iríamos nos confundir.

Dama – Para podermos seguir com o mesmo raciocínio utilizado no valete, EXCLUI o D do ás. Assim, utilizaremos o D apenas para as cartas correspondentes à Dama.

Rei – Exclui as palavras com apenas um R das cartas de número 4. Assim, as cartas que tiverem apenas 1 R corresponderão ao rei. As que tiverem RR corresponderão ao 4.

Mais uma vez deixo o jogo em suas mãos. É importante que você escolha suas próprias imagens.

Paus


Às de paus: Peito
2 de paus: Pino
3 de paus: Pomo
4 de paus: Porre
5 de paus: Pelé
6 de paus: Paxá
7 de paus: Paca
8 de paus: Pufe
9 de paus: Papai
10 de paus: Poço
Valete de paus: Povo
Dama de paus: Poda
Rei de paus: Pêra   

Copas

Às de copas: Cutia
2 de copas: Cone
3 de copas: Cama
4 de copas: Carro
5 de copas: Cola
6 de copas: Coxa
7 de copas: Coca
8 de copas: Café
9 de copas: Copa
10 de copas: Casa
Valete de copas: Cova
Dama de copas: Corda*
Rei de copas: Cara   

Espadas

Às de espadas: Tatu
2 de espadas: Tainha
3 de espadas: Time
4 de espadas: Torre
5 de espadas: Talo
6 de espadas: Tocha
7 de espadas: Touca
8 de espadas: Tufo
9 de espadas: Tábua
10 de espadas: Taz
Valete de espadas: Tevê
Dama de espadas: Toda
Rei de espadas: Touro   
Ouros

Às de ouros: Seta
2 de ouros: Sino
3 de ouros: Sumô
4 de ouros: Serra
5 de ouros: Selo
6 de ouros: Soja
7 de ouros: Saco
8 de ouros: Sofá
9 de ouros: Sopa
10 de ouros: Saci
Valete de ouros: Seiva
Dama de ouros: Soda
Rei de ouros: Siri   

Você deve ter percebido que coloquei um * ao lado da dama de copas. Isso se deve ao fato de eu não ter encontrado nenhuma palavra que se ajustasse corretamente ao sistema. As exceções são fáceis de serem lembradas. Assim, não se preocupe com elas.

JORNADAS

Em seu livro “Como desenvolver uma memória super-poderosa”, Lorayne ensina a criar associações entre as imagens para baralho e as imagens fonéticas básicas, onde as imagens fonéticas diriam a posição das cartas. Se a primeira carta fosse o Ás de espadas, ele orienta que você imagine um tatu (tatu = às de espadas) pendurado em uma teia (palavra referente ao número 1). Se a segunda carta fosse o cinco de copas, você imaginaria que você estava colando (cola = 5 de paus) papéis utilizando um anão (palavra referente ao número 2) em vez de uma cola, e assim por diante.

Apesar desse método funcionar perfeitamente com Lorayne e alguns de seus seguidores, particularmente não acho interessante utilizar as palavras do sistema fonético como a única indexação para as cartas. O primeiro problema que surge é que com esse método, você não seria capaz de memorizar mais de dois baralhos visto que teria no máximo 111 posições para as cartas. O segundo problema é a confusão. Ao longo do seu treinamento, você já teria criado associações entre todas suas cartas de baralho e todas suas imagens para números, gerando muita confusão.

Adaptando Lorayne as jornadas

Assim como fizemos para memorizar números, basta que ao memorizar o baralho, você imagine cada carta interagindo em um local da sua jornada. Dessa forma, se a primeira carta a ser memorizada for o 6 de espadas, imagine uma tocha incendiando o seu primeiro ponto de referência, e assim por diante.

Leia também sobre o método das jornadas

8 comentários:

Jomar Filho disse...

Muito legal Alberto! Obrigado por disponibilizar este método aqui no seu blog. Aproveitando do ensejo, gostaria de registrar que adquiri o Audiobook Super-memória para concursos e é simplesmente maravilhoso. Forte abraço e que Deus o abençoe.

Arlan disse...

Alberto, trabalho na produção de um programa de TV para a Prefeitura de Betim e gostaríamos de contar com você para uma entrevista de estúdio. Li que você tem um projeto em torno do resgate da memória de idosos, na UFMG, que é justamente o tema de outro projeto em andamento em alguns asilos da cidade. Por favor, me ligue no telefone (31)2571-0505 ou mande os seus contatos para o e-mail afranca@hojeemdia.com.br. Obrigado. Arlan França

Arlan disse...

Alberto, trabalho na produção de um programa de TV para a Prefeitura de Betim e gostaríamos de contar com você para uma entrevista de estúdio. Li que você tem um projeto em torno do resgate da memória de idosos, na UFMG, que é justamente o tema de outro projeto em andamento em alguns asilos da cidade. Por favor, me ligue no telefone (31)2571-0505 ou mande os seus contatos para o e-mail afranca@hojeemdia.com.br. Obrigado. Arlan França

ENALDO disse...

Alberto, muito legal o site, criativo e atualizado. Adorei mesmo sua grande idéia de levar este tipo de conhecimento para todas as pessoas.
Sempre fui fascinado por métodos e técnicas de memorização, mas nunca tinha visto algo tão específico como seu site.
Meus parabéns e muito sucesso!!!

Renato Moralli de Souza disse...

Posso usar as mesmas imagens do meu vocabulário fonetico ou tenho que criar novas imagens?
Ex. Em meu vocabulário fonetico o 9 é "P"

91- Pato
92- pano
93- puma

Posso usar as mesmas para?

As paus - Paris
2 paus - pano
3 paus - puma

Paul Richard disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paul Richard disse...

Eu não compreendo esses métodos de memorização, sei que uma vez consegui memorizar uma sequência de 105 cartas, porém não dei continuidade. Porém memorizei as cartas sem fazer nenhuma associação a nada. Eu apenas conseguia visualizar as cartas na minha mente.

Kadugp Gp disse...

Alberto, como podemos usar esta técnica para memorizar os 4 baralhos do jogo de cartas black jack? Pq eu não preciso saber a ordem das cartas, mas sim quais já saíram ou não.....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...