sábado, 7 de abril de 2007

Síndrome do sapo fervido

Prezados amigos,

li há alguns dias um texto de Luiz Carlos Cabrera, professor da Fundação Getúlio Vargas, que é bastante inspirador. Espero que gostem:

A síndrome do sapo fervido

É inegável a velocidade e a intensidade das transformações sociais, políticas e econômicas em todo o mundo. Mas o que tem sido feito, pelas empresas, para acompanhar estas mudan- ças tão turbulentas? Que respostas têm sido dadas às pressões do ambiente externo? Estamos mudando a orga- nização, sistema de trabalho e, principalmente, o comportamento das pessoas para enfrentar e vencer este desafio do mundo globalizado da competitividade, de profissionais mais maduros e conscientes? É aqui que entra a síndrome do "sapo fervido".

Vários estudos biológicos provam que um sapo colocado num recipiente, com a mesma água de sua lagoa, fica estático durante todo o tempo que aquecemos a água, até que ferva. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura (mudanças do ambiente) e morre quando a água ferve. lnchadinho e feliz. Por outro lado, outro sapo que seja jogado neste recipiente já com a água fervendo salta imediatamente para fora. Meio chamuscado, porém vivo!

Muitos de nós têm comportamento similar ao do SAPO FERVIDO. Não percebem as mudanças, acham que está tudo bem, que vai passar, que é só dar um tempo! E "quebram" ou fazem um grande estrago em suas empresas, "morrendo" inchadinhos e felizes, sem terem percebido as mudanças. Outros, graças a Deus, aos serem confrontados com as transformações, pulam, saltam; em ações que representam, na metáfora, as mudanças necessárias.

Temos vários sapos fervidos por aí, prestes a morrer, porém boiando estáveis e impávidos na água que se aquece a cada minuto. Sapos fervidos que não perceberam que o conceito de administrar mudou.

O antigo "administrar é obter resultados através das pessoas" foi gradualmente substituídos por administrar é fazer as pessoas crescerem através do seu trabalho, atingindo os objetivos da empresa e satisfazendo suas próprias necessidades".

Os sapos fervidos não perceberam, também, que seus gerentes, além de serem eficientes (fazer certo as coisas), precisam ser eficazes (fazer as coisas certas). E que para isso o clima interno tem que ser favorável ao crescimento profissional com espaço para o diálogo, para comunicação clara, para o compartilhamento, para o planejamento e para uma relação adulta.

O desafio ainda maior está na humildade de atuar de forma coletiva. Fizemos durante muitos anos culto ao individualismo e a turbulência exige hoje, o esforço coletivo, que é a essência da eficácia, como resposta. Tomar as ações coletivas exige, fundamentalmente, muita competência interpessoal para o desenvolvimento e o espírito de equipe; exige saber partilhar o poder, delegar, acreditar no potencial das pessoas e saber ouvir Os Sapos Fervidos, que ainda acreditam que o fundamental é a obediência e não a competência que manda quem pode e obedece quem tem juízo,"boiarão" no mundo da produtividade, da qualidade e do livre mercado.

Fonte: Luiz Carlos Cabrera - Professor da Fundação Getúlio Vargas.

5 comentários:

Verusca disse...

Precisamos a cada instante nos atualizar devido a globalização. Eu nãio quero ser mais um sapinho fervido.. nha nah Escelente texto!

cristiane disse...

Adorei o texto...serve de reflexão para que as pessoas tomem consciência e se posicionem....porque sapos fervidos é o que mais encontramos na vida.Seja diferente.......vc pode...vc é capaz!

Rodrigo disse...

ótimo texto! recomendo a todos e principalmente aos administradores de empresas...

Vania disse...

Só uma correção: o texto original é de Rubem Alves e faz parte do livro "Teologia do Cotidiano".

Wellington alves barbosa disse...

alberto gosto de suas publicações e me interesso em comprar outros livros seus onde os encontro e como faço p participar de um curso seu obrigado

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...